“Apresente seu cavalo da maneira mais bonita possível”, diz Sonia Hanssen sobre inspeção veterinária

A inspeção veterinária é o primeiro contato que os conjuntos têm com o juri de campo. Ela pode ser considerada como a primeira prova da competição, uma vez que, se o cavalo não passar, ele não compete. É também a primeira impressão que juízes terão do conjunto, por isto, a recomendação é caprichar na apresentação do animal. “Apresente seu cavalo da maneira mais bonita possível”, destacou a comissária FEI Sonia Hanssen, durante palestra realizada durante o Campeonato Brasileiro.

Sonia Hanssen nasceu na Suíça, mas mora no Brasil há 38 anos. Ela é comissária FEI, tendo trabalhado em Jogos Olímpicos e Jogos Mundiais. “O trabalho do steward é ajudar, prevenir e interferir se algo está dando errado, sempre pensando no bem-estar do cavaleiro. Ajudamos o comitê organizador”, explicou.

O comissário sempre está em contato com o presidente do júri. “Queremos que todos os cavalos estejam bem, não é nosso objetivo ferrar alguém”, disse. Ela lembrou que a prova só acaba depois que comissário fizer a revisão e liberar o cavaleiro. “Até este ponto ninguém pode tocar o cavalo. Todo mundo vem em cima para falar com o cavaleiro, mas não pode”, ressaltou.

Adestramento Brasil acompanhou a palestra que deu orientações sobre como proceder na inspeção veterinária e destaca abaixo alguns dos tópicos abordados:

  • Tratador precisa de autorização para apresenta o cavalo no lugar do cavaleiro
  • Deve-se usar uma roupa com a qual consiga correr. Se estiver de culote, o certo é usar a bota, mas sem espora (porque pode tropeçar). O importante é ir arrumado
  • Levar passaporte e cavalo deve ter chip para verificar a identidade
  • O cavalo não pode ter adereços, como fitas do Senhor do Bonfim nas patas (caso queira muito usar, orienta-se colocar na cabeçada). Já a fita no rabo, vermelha, indicando que cavalo da coice pode
  • Pode-se apresentar o cavalo usando bridão ou freio-bridão ou guia e cabo de cabresto, desde que seja seguro para quem for puxar e para o cavalo
  • Pode usar chicote, mas com prévia atualização do juiz
  • Depois que passar na inspeção e receber o número de identificação, o cavalo só sai da cocheira com o número, sempre. Na cabeçada ou na manta. Sem número não pode
  • Juiz quer ver se o cavalo está trotando certo. Treine antes para passar direito. Tem de trotar reto e a rédea tem de fazer balão, porque deve ser sem contato
  • Trançado não é obrigatório, mas pode e deve.
  • Pode engraxar os cascos

Leia também:

Saiba como funciona a inspeção veterinária
CBH divulga regulamento veterinário atualizado

  • Apresente seu cavalo da maneira mais bonita possível
  • Sobre machucados: o juiz vai ficar de olho em ralados de espora e outros machucados.
  • Se sangrar, em qualquer lugar, o cavalo é eliminado. O steward coloca uma luva por animal e toca o cavalo. Se o sangue passar para a luva, guarda a luva, faz fotos e leva para o presidente de júri, pois é ele quem dá o veredicto. Sangrou é eliminado
  • Cocheiras: no brasileiro não tem a rigidez de CDIs, que tem controles de entrada e de saída, aprovação de medicamentos e uso de aparelhos
  • Deve-se avisar o veterinário responsável pela prova para saber se pode medicar o cavalo. Tem de chamar o veterinário do evento, pois é ele quem vai dizer se o procedimento é permitido ou não.
  • Pista de aquecimento: não podem ser usadas rédeas alemã, rédeas de atar, mas pode usá-las para rodar.  Protetores e ligas podem, assim como chicote, mas devem ser retirados para a apresentação
  • Capacete: obrigatório para eventos CBH no Brasil todo. Não pode tirar nunca, nem na premiação.
  • Chicote: pode na pista de aquecimento no tamanho de 1,20 m e 1 metro para pônei. Não pode dar a volta na pista com chicote.
  • Embocadura: perna do freio não pode ser mais que 10 cm. Na checagem da embocadura, se for difícil verificar a cabeçada, pode-se pedir para tirar. A focinheira tem de passar dois dedos do lado ou um dedo pela frente, o mesmo para a barbela que tem de ter dois dedos de folga
  • Blusa: regulamento não menciona a cor da blusa, mas gravata e plastron brancos, marfim ou cor da casaca
  • Manta: regulamento não menciona a cor
  • Espora tem de girar livre
  • Cabelo: não está no regulamento se deve estar preso, mas, pela questão da elegância e não atrapalhar na apresentação, recomenda-se prendê-lo.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.