Veterinária explica o que fazer para lidar com a dor muscular nos cavalos atletas

A dor muscular é comum quando o cavalo está desenvolvendo a musculatura, assim, cabe a quem está montando ou treinando o animal saber dosar a intensidade dos treinos. Um dos grandes componentes da dor muscular é o cavalo na cocheira. 

“Quando o cavalo trabalha, assim como a gente, ele vai acumular algumas substâncias que podem ser tóxicas para a musculatura, como o ácido láctico. Alivia se o cavalo tiver a possibilidade de, depois do trabalho, caminhar. A maioria dos cavalos trabalha e vai para baia, não tendo o movimento natural, que é andar, para liberar as toxinas”, ressalta a veterinária Luciana Azevedo Matias Silvano.

Entre as recomendações para cavalos em cocheiras, ela assinala:

  • após dias de trabalho intenso, considerar um período final do treinamento, os últimos 15 a 20 minutos, para caminhar ao passo e, de preferênci0,a fazendo exercícios lentos e de alongamento;
  • caminhar o cavalo no cabresto por 15 a 20 minutos duras horas após o treinamento puxado. Isso pode ser repetido várias vezes ao dia, de acordo com a intensidade do treino;
  • colocar o feno em diferentes cantos da cocheira para possibilitar um pouco mais de movimentação durante a alimentação e, de preferencia, no chão;
  • usar cocheiras amplas e proporcional ao tamanho do cavalo;
  • sempre que possível estabelecer um esquema de piquetes em que os animais possam ser soltos de duas a quatro horas por dia, principalmente após o exercício;
  • permitir que o cavalo tenha um tempo de liberdade após o trabalho, por exemplo, soltando por 20 minutos após o término do treino na própria pista de trabalho.

“É importante lembrar que nada substitui a vida livre em piquetes e que o ideal seria que os cavalos fossem colocados em baias somente no momento da alimentação e para passar a noite”, diz.

WhatsApp

Sela
A sela é a maior responsável por dores na coluna dos cavalos atletas, explica Luciana Silvano. Ela lembra que, atualmente, profissionais e seleiros especializados para fazer com que a sela sirva adequadamente nos diferentes formatos de coluna de cada animal.

“Uma sela inadequada vai machucar mesmo que se coloquem pads de gel, bacheiros ou outros recursos entre ela e o dorso do cavalo”, afirma. Outro ponto importante é a postura e o nível de equitação do cavaleiro.

Perceber a lesão muscular antes que ela se torne um problema maior requer conhecimento acerca do animal. Observe o comportamento do cavalo, por exemplo, se ele fica bravo ou irritado ao ser selado, que pode ser um indício de desconforto e dor. “Não existe cavalo com cócegas. Se ele se abaixa ou foge da escovação é um sinal de dor muscular”, diz.

Ter o habito de escovar e apalpar a musculatura diariamente do cavalo pode ajudar a perceber dores e desconfortos em sua fase inicial.

No planejamento do treinamento, atleta e treinados precisam ajustar os exercícios conforme a sensibilidade individual de cada animal. Muitas vezes, isto significa diminuir a intensidade do treino ao perceber que o animal apresenta algum desconforto montado ou do chão. “Assim, evita-se o aparecimento de lesões agudas e que irão necessitar de repouso absoluto.”

Outra recomendação para evitar lesões é evitar montar um cavalo antes de ele ser aquecido. É importante, aponta Silvano, permitir um tempo de caminhada ou rodar na guia antes de montar e iniciar o trabalho de animais em cocheiras.

Parece uma regra óbvia, mas é preciso lembrar que, caso o cavalo esteja sob uso de analgésicos e anti-inflamatórios, nunca se deve trabalhar ou exigir demais dele. “A dor também é um alerta de prevenção para que estruturas como tendões, ligamentos e articulações não sejam lesionadas de forma irreversível”, explica.

Falando sobre as provas, a veterinária ressalta que sempre o maior esforço do animal deve ser guardado para competições e que o esforço máximo de treino deve ser realizado apenas duas semanas antes das provas. É preciso também permitir descanso e/ou treino bem leve de 24 a 72 horas após treinos rigorosos e, no mínimo 48 horas após competições. “Quanto maior o esforço, maior o tempo de treinamento e mais leve até a próxima competição e/ou treino exigente, sendo, no mínimo um intervalo de sete a 14 dias”, finaliza.

Luciana Silvano ministrou palestra no interior de São Paulo. Confira uma parte no vídeo:

Foto: divulgação/arquivo pessoal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.