Categoria: Paraequestre

Rodolpho Riskalla obtém as únicas medalhas do Brasil nos Jogos Equestres Mundiais

O cavaleiro paralímpico Rodolpho Riskalla conquistou as duas únicas medalhas do Brasil nesta edição dos Jogos Equestres Mundiais, realizada em Tryon, nos Estados Unidos. Montando Don Henrico, depois da prata na prova individual grau 4, no dia 18/9, Riskalla conquistou outra medalha de prata na prova individual estilo livre grade 4, no dia 22/9. No freestyle grau 4, Riskalla fez 77,780% de nota final.  Leia mais

Sérgio Oliva termina em 9º; Vera Lucia Mazzilli, em 15º no paraequestre grau 1

Os atletas paraequestres Sergio Froés Ribeiro de Oliva e Vera Lucia Martins Mazzilli competiram nesta quarta-feira (19/9) nos Jogos Equestres Mundiais na prova de paradressage do grau 1. Montando Coco Chanel, Oliva fez 70,036% e terminou em nono, enquanto sua companheira de equipe apresentou-se com Ballantine e terminou na 15ª colocação com 65,357%.  Leia mais

Prata no grau 4, Rodolpho Riskalla ressalta desempenho de Don Henrico

Prata no adestramento paraequestre no grau 4, o cavaleiro paraequestre Rodolpho Riskalla conquistou a única medalha, até o momento, do Brasil nesta edição dos Jogos Equestres Mundiais, realizada em Tryon, nos Estados Unidos. Montando Don Henrico, Riskalla fez 73,366% na prova individual dia 18/9 e garantiu o segundo lugar. “Don Henrico estava ótimo, mesmo com esse tempo úmido e calor. Ter chegado uma semana antes da prova nos deu tempo suficiente para preparar bem o cavalo. Estamos supercontentes”, disse ao Adestramento Brasil. Leia mais

2ª etapa do Paraequestre tem conjuntos dos graus 1, 2 e 3

A segunda etapa do Campeonato Paulista de Adestramento Paraequestre, embora tenha tido menos concorrentes (apenas três), contou com apresentação de um novo conjunto, que disputou no grau 1. A prova ocorreu junto com a 6ª etapa Ranking de Adestramento da Sociedade Hípica Paulista, no último dia 15/9. Leia mais

Para Rodolpho Riskalla, Inglaterra é principal rival no paraequestre

TRYON, EUA — O cavaleiro paraequestre Rodolpho Riskalla disse acreditar que a equipe brasileira está bem preparada, com os cavalos em boa fase para disputar os Jogos Equestres Mundiais na modalidade paradressage. “A Inglaterra, realmente, é a potência no paraequestre. Se a gente conseguir fazer uma média de 72%, 73% de média geral final, podemos pensar em brigar para por medalha”, afirmou em entrevista em vídeo. Leia mais