Como usar corretamente e tirar maior proveito da meia-parada?

AB_Pergunte_expert-peqA meia-parada é essencial na equitação, mas saber usá-la corretamente, de modo que seja automática, requer muito treino e sensibilidade. Cavaleiro internacional, juiz estadual e instrutor de adestramento, Sergio de Fiori dá dicas de exercícios que amadores podem fazer para melhorar a técnica e também como profissionais podem ensinar cavalos novos.

Economista de formação, Fiori profissionalizou-se como cavaleiro ha 12 anos, quando fez parte da equipe do cavaleiro Jan Brink, na Suécia. Treinou ainda com Hasse Hoffmann, fellow do IDTC, e, atualmente, treina com Ralph Schmidt, juiz de Grande Prêmio na Alemanha.

“Meia-parada não é nem uma figura nem mesmo um exercício. É uma ação que conduz o cavalo para um estado superior de equilíbrio e de atenção e, por isso, não existem movimentos ou transições no adestramento que possam ser perfeitamente realizados sem meias-paradas. Nem mesmo coisas simples como passar pelos cantos do picadeiro ao trote!

Realizamos a meia-parada junto com uma ação de assento e pernas recebida com as mãos, isto é, quando conseguimos reter a energia que acabamos de solicitar do cavalo, impedindo que ele simplesmente avance mais para frente, algo como comprimir uma mola.

A “mola”, aqui, são as articulações dos posteriores, que se flexionam mais do que antes. Neste instante, enquanto a garupa abaixa, o anterior ganha leveza, a cernelha é projetada suavemente para cima e a coluna do cavalo descreve esse belo arco que queremos ver no adestramento. Em seguida, é imprescindível que as mãos do cavaleiro sejam mais leves do que antes, para então continuar montando o cavalo para frente, seja em uma transição, em uma nova figura qualquer ou até mesmo para continuar na linha reta.

Elementos básicos como ritmo, descontração e contato não podem ser deteriorados durante a meia-parada, justamente, porque ela deve melhorar o equilíbrio do cavalo, e não o contrário. Por isso, meias-paradas bem executadas requerem experiência, feeling e, por que não dizer, uma dose de intuição — por isso mesmo aproximam-se da perfeição apenas quando executadas no “piloto automático”, já que é preciso coordenar várias ajudas dentro de um tempo muito limitado.

O ideal, para os cavaleiros mais iniciantes, é praticar com cavalos mais adiantados, para ter a sensação correta. Além disso, para os cavaleiros menos experientes pode ser importante montar transições para o passo antes de cada canto para, então, seguir ao trote, o que o ajudará a entender a sensação de quando o cavalo carrega mais peso com o posterior, projetando-o mais para baixo do corpo. Depois disso será mais fácil solicitar a meia-parada, para preparar os cantos, sem transição para o passo.

Com cavalos novos, é útil introduzir as meias-paradas trabalhando em círculos grandes, com o cavalo encurvado e flexionado, dessa forma fica mais fácil de evitar uma reação negativa do cavalo do que nas linhas retas.”

A seção Pergunte ao expert tem como objetivo responder a dúvidas enviadas pelos leitores. Tem alguma pergunta? Envie para siteadestramentobrasil@gmail.com com seu nome, idade e onde pratica equitação.

Foto: Tata de Fiori 

Anúncios

2 respostas para ‘Como usar corretamente e tirar maior proveito da meia-parada?’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.