Coudelaria do Castanheiro usa quarentena para acertar detalhes e subir cavalos de nível

Localizada em Tatuí, a Coudelaria do Castanheiro não parou as atividades durante a quarentena, até porque todos os funcionários residem no local e, segundo contou o cavaleiro do haras Reinaldo Cortivato, as medidas de segurança para evitar contaminação, como o uso de máscaras e álcool em gel, estão sendo tomadas. Na falta de provas, o treinamento está focado em acertar os detalhes para que os conjuntos, quando voltarem às competições, possam alcançar notas melhores ou até mesmo subir de categoria. A coudelaria tem entre os objetivos disputar os Campeonatos Paulista e Brasileiro, conforme relatou Cortivato à série especial que Adestramento Brasil está conduzindo com objetivo de entender como as restrições impostas pela pandemia e a suspensão das competições afetam haras, amazonas e cavaleiros.


Apoie_AB_PayPalSe você acompanha a nossa cobertura, sabe que informação bem apurada, confiável e relevante faz toda a diferença. Enquanto agradecemos a todos apoiadores do site, reforçamos que precisamos da colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.
Clique e seja um apoiador. Você que escolhe o valor!

Prefere anunciar? Confira o mídia kit e fique por dentro das opções para divulgar a sua marca: escreva para contato@adestramentobrasil.com


Adestramento Brasil — Para começar, conte brevemente um pouco da Coudelaria do Castanheiro.
Reinaldo Cortivato — A Coudelaria do Castanheiro foi iniciada em 1991 pelo Dr. Aldo Araujo Pinto, com base em animais da raça puro sangue lusitano, adquiridos em Portugal. Hoje, ela tem a direção da Dra. Clelia Erwenne Araujo Pinto, que objetiva a produção de cavalos com funcionalidade para esportes equestres atuais. A coudelaria fica localizada em Tatuí, no interior de São Paulo e conta com um plantel de 160 animais ao todo, sendo que na maioria potros e matrizes. Hoje estão em cocheiras e trabalhando cerca de 30 animais.

Como é o trabalho dos animais?
Contamos com uma equipe de três cavaleiros: eu, Luciano dos Anjos Silva e Almir Marinho e cada um trabalha, em média, oito animais por dia.

A rotina mudou por causa da quarentena?
A rotina dos animais continua ininterrupta, mesmo com a pandemia. Todos os cavalos trabalham todos os dias, tendo, por sua vez, uma externa aos sábados e uma folga aos domingos.

Quais são os prós e contras de ficarmos sem provas? Como que isto afeta o desempenho dos conjuntos?
Quanto aos prós de ficarmos sem o ritmo das provas durante a pandemia é que pudemos intensificar os treinamentos com os potros que estavam em inicio de monta e aproveitar para caprichar nos mínimos detalhes que possam ser melhorados em cada conjunto que iniciaram o ano em provas, assim, quando elas voltarem, quem sabe, podemos alcançar notas melhores ou até mesmo subir algum animal de categoria.

Qual é o foco do haras para provas em 2020, pensando que podemos ter alguma retomada de competições no segundo semestre?
Com relação aos campeonatos, o foco é e sempre será bons resultados dentro das pistas. Caso os campeonatos retornem no segundo semestre, esperamos estar de volta prontos e preparados, de olho nos Campeonatos Paulista e Brasileiro. No ano passado, fiz a estreia com o novo garanhão do haras, o London CSN, que teve vitória já em sua primeira prova na categoria 4 anos no Festival do Cavalo Lusitano. Em 2020, subi ele para categoria 5 anos e, novamente em sua primeira prova do ano, teve outro pódio como campeão. Ele é uma promessa; é inteligente e, sob os olhos atentos do nosso coach treinador de Portugal Cézar Marquez, esperamos atingir o ápice e melhorar cada vez mais.

Quais medidas de segurança para preservar a saúde das pessoas foram tomadas no haras para evitar o contágio da Covid-19?
A coudelaria conta hoje com uma equipe de dez funcionários e todos sem exceção moram dentro da propriedade. Os funcionários estão saindo apenas em casos de extrema necessidade, como alimentação ou medicamento, e todos estão tomando as devidas medidas de segurança impostas pela secretaria de saúde do município para evitar, assim, o contágio da Covid-19; e usando muito álcool em gel e máscaras sempre.

Foto: divulgação / Tupa

SÉRIE ESPECIAL DE ENTREVISTAS — Quando o surto da Covid-19 chegou ao Brasil, as competições pararam e, para tentar frear o avanço da doença, a quarentena foi decretada. Contudo, quem lida com cavalos atletas sabe que o trabalho precisa seguir. Para entender como o período de pandemia está afetando profissionais e haras, Adestramento Brasil preparou uma série de entrevistas com diferentes coudelarias, amazonas e cavaleiros. Todas as entrevistas publicadas nos próximos dias estão reunidas nesta página

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.