Como fazer círculos e voltas sem perder a impulsão, garupa derrapar ou o cavalo “cair para dentro”?

Conforme os conjuntos vão avançando no adestramento, as dificuldades aumentam. Isso é claro! E não seria diferente em se tratando de círculos e voltas: eles deixam de ser grandes, aqueles de 20 metros, e têm o diâmetro reduzido para 15 m, 10 m e 8 m. Mas como buscar a perfeita execução? Neste ‘Pergunte ao Expert’ (leia todos), o cavaleiro profissional e juiz estadual (SP) Sergio de Fiori dá dicas de como acertar na figura de círculos e voltas.

Confira as orientações do cavaleiro:

Círculos e voltas são figuras frequentes no adestramento. Começam e terminam em um mesmo ponto; e caracterizam-se pela simetria. Quando o diâmetro é igual ou menor a 10 metros, trata-se de uma “volta”; se for maior, chamamos de “círculo”. Podem ser apresentados ao passo, ao trote ou ao galope, sempre mantendo o ritmo e com flexão e encurvadura de acordo com o tamanho do círculo/volta, de modo a manter anteriores e posteriores alinhados no trajeto.

Vejamos as ajudas para uma volta à direita, analisando cada uma das dificuldades listadas na pergunta:

  1. Flexionamos o cavalo encurtando levemente a rédea direita e, no ponto exato, usamos as pernas (direita na cilha e esquerda logo atrás da cilha) e o assento para criar a encurvatura necessária – evitando, assim, que o cavalo vire como um navio!
  2. A rédea esquerda precisa manter suficiente contato para manter a espádua esquerda sob controle, mas não pode ser tão forte a ponto de impedir que o cavalo alongue o lado esquerdo do pescoço. Essa tortuosidade (“tilting”, em inglês) é muito fácil de ver: nuca para um lado, focinho para o outro.
  3. Durante a execução da volta, uma vez que temos o cavalo flexionado e encurvado, é hora de aliviar a pressão da rédea interna para permitir amplitude de movimento no posterior e liberdade de espádua. Uma rédea interna forte e insensível desequilibra o cavalo e, por vezes, é a causa de problemas como “cair de espádua”, garupa para dentro e perda de impulsão (ou até mesmo de ritmo).

Voltas são momentos particularmente sensíveis a problemas de assento para que o cavalo consiga manter fluência, elasticidade e encurvatura. Também é preciso que o cavaleiro desenvolva uma certa noção espacial, nem sempre intuitiva, para conduzir o cavalo com precisão. Cones ou marcações na pista podem ajudar.

Não se deve treinar voltas sem que haja um certo domínio da espádua adiante, onde aprendemos a controlar as espáduas e sofisticamos um pouco nossas ajudas. Treinar voltas antes disso não é producente.

Voltas bem executadas são como cantos: grandes aliadas para muscular o cavalo e também para preparar o próximo movimento. Quando são mal feitas são piores que cantos ruins: saímos com um cavalo desequilibrado e ainda carregamos uma nota baixa!

A seção Pergunte ao expert tem como objetivo responder a dúvidas enviadas pelos leitores. A cada questão selecionamos um atleta profissional para respondê-la. Tem alguma pergunta? Envie para contato@adestramentobrasil.com 

Foto: arquivo pessoal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.