Manter o crescimento do alto rendimento e “sacudir” a base: as metas de Sergio de Fiori na CBH

Por Thais Cerioni

Sabidamente um dos grandes desafios do adestramento no Brasil, o fomento das categorias de base é uma das prioridades do novo diretor de adestramento, Sergio de Fiori. A intenção, segundo ele, é mapear os jovens atletas federados, promover competições, fazer com que eles se mantenham no esporte e subam de nível. “Quando você provoca, as pessoas se mexem”, avaliou Fiori, ao participar de entrevista ao vivo com Adestramento Brasil na última terça-feira (08/02).

https://www.paypal.com/donate/?hosted_button_id=J56ZYZZLKPPV4&source=url

O aumento da capilaridade também é uma preocupação de Sergio para fomentar o adestramento nacional. A continuidade e fortalecimento do Desafio Brasil, com clínicas prévias às competições, é um dos instrumentos para alcançar esse objetivo, mas não é o único.

“É preciso ter em mente que uma clínica de três ou quatro dias não vai resolver o problema do adestramento em Estados que não têm competições estaduais”, pontuou. Então, a ideia é promover clínicas periódicas ao longo do ano, com financiamento compartilhado entre CBH, federação, profissionais e os participantes. “Vamos fazer o pessoal rodar. Levar os professores, que estão muito concentrados, para outros Estados e também para o interior de São Paulo”, antecipou.

Outro aspecto importante para o desenvolvimento e fortalecimento de dressage no Brasil é a oferta de animais com características e condições de formar conjuntos com nível para competições internacionais. Sobre esse aspecto, Fiori comentou sobre a posição de Raul Maura Silva, que atuará como um braço do adestramento na diretoria de cavalos novos. “O objetivo é atrair e atiçar mais o interesse desses criadores pelo esporte”, afirma, destacando que, hoje, já existem cavalos de alto nível sendo criados e empistados no Brasil.

>>> Calendário 2022: todas as provas em um só lugar

Bem-estar animal
Questionado acerca do que será feito para assegurar o bem-estar animal, principalmente, após episódio de maus-tratos no pentatlo moderno nos Jogos de Tóquio, que culminou na suspensão do pentatlo moderno para a Olimpíada de Los Angeles em 2028, o novo diretor disse que primeiro movimento foi a inclusão do código de conduta da FEI no início do regulamento. “O desafio agora é parar de ser reativo e começar a posicionar o adestramento como uma prática de fomento ao bem-estar animal”, avalia Fiori.

Na visão dele, toda a comunidade do adestramento – atletas, organizadores dos concursos, juízes, treinadores – precisam ser convocados para essa mudança de postura. “Hoje, é muito mais frequente os maus tratos virem da ignorância do que do sadismo”, acredita. “Nós vamos educar premiando as boas atitudes, de todos os envolvidos.”

Assista à entrevista completa:

Uma resposta para “Manter o crescimento do alto rendimento e “sacudir” a base: as metas de Sergio de Fiori na CBH”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.