Lima 2019: manhã do 2º dia termina com João Paulo em 4º e Brasil à frente do México

Lima, Peru — As disputas do segundo dia de provas — e final do adestramento por equipes nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019— começaram com os competidores tendo a certeza de que qualquer erro lhes custaria a medalha. Isto porque os Estados Unidos fecharam a primeira rodada com 219,970%, apenas 0,146 ponto porcentual à frente do Canadá na briga pelo ouro. Entre o Brasil e México, a diferença também estava pequena, de 2,227 pontos porcentuais. A parte da manhã terminou com o Brasil à frente do México, com ambos os países com dois conjuntos disputando small tour. À tarde, após a apresentação dos conjuntos de GP especial, será definida a vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Logo-Sasa_lima Nesta segunda 29/7, os conjuntos de small tour executaram a reprise intermediária 1 e os de big tour, grande prêmio especial. A ordem de entrada foi a mesma do dia 28/7. Melhor do Brasil pelo segundo dia consecutivo, João Paulo dos Santos e Carthago Comando SN terminou a parte da manhã em 4º, seguido de João Victor Oliva e Biso das Lezírias em 9º. Os dois mexicanos de ST ficaram em posições inferiores às dos brasileiros, sendo Jesus Enrique Palacios e Tinto em 10º e Irvin Leiva Guillermo e Pabellon em 13º.

Primeira do Canadá a competir, Lindsay Kellock manteve a consistência da prova com Floratina, mantendo, durante a apresentação, média na casa dos 73% — a nota final foi de 73,147%, sendo a maior nota com o holandês Eduard De Wolff Van Westerrode (74,559%) e a menor com Janet Lee Foy, dos EUA (71,324%) — a juíza canadense Brenda Minor avaliou a reprise em 73,382%.

Pelo Brasil, João Paulo dos Santos e o puro sangue lusitano Carthago Comando SN fizeram uma apresentação limpa, fechando com 69,265%, porcentual semelhante ao do dia anterior — na PSJ, o conjunto somou 69,029% ficando em 10º lugar no geral. A juíza dos EUA Janet Foy foi quem deu o maior porcentual (71,029%) e a canadense Brenda Minor aplicou o menor (67,794%).

Em entrevista, Santos disse que gostou do desempenho do Carthago em pista. “Gostei da minha prova; o cavalo estava bem disposto hoje, melhor que ontem. Foi uma prova correta e sem erros, alcançou uma nota que não era o que esperávamos, mas estamos na briga”, contou em entrevista em vídeo, logo após deixar a pista.

O primeiro mexicano a competir foi Irvin Leiva Guillermo com Pabellon, nota descarte do primeiro dia. Na inter 1, o conjunto foi pior que na PSJ, fechando com 62,912%. Segunda canadense a entrar em pista, Tina Irwin, montando Laurencio, subiu as notas em relação à prova São Jorge, quando ficou em segundo no geral, e aumentou a disputa com os EUA. A amazona fechou a sua participação por equipe com 73,853 %, sendo o maior porcentual de Janet Lee Foy (75,588%) e o menor do alemão Thomas Kessler (72,353%).

João Victor Marcari Oliva e puro sangue lusitano Biso Das Lezírias tiveram problemas em pista nas transições no trote e no estendido, terminando com nota de 65,147% — do Canadá, Brenda Minor aplicou a menor nota (63,382%) e o holandês Eduard De Wolff Van Westerrode, a maior (66,176%).

“Estava vindo em uma prova boa e arrisquei para pontuar mais que ontem — e vinha pontuando mais —, mas numa transição o cavalo não caía para o trote. Tentei, tentei e passou o ponto, então, tive muitas penalidades”, explicou em entrevista ao sair da pista. Ele avaliou que Biso estava melhor que ontem. Na pista, ele chegou a parar e recomeçar, um movimento para perder a nota na figura apenas. “Tudo levo de aprendizado. Tem dias bons e ruins; e este [hoje] não foi o melhor.”

No entanto, para sorte do Brasil, o mexicano Jesus Enrique Palacios, que competiu na sequência de João Victor Oliva com o KWPN Tinto, não foi bem, fazendo 64,647%, nota menor que os 65,529% da PSJ do dia anterior. Assim, o Brasil fechou a participação por equipe na manhã do segundo dia à frente do México. Na parte do tarde, os dois conjuntos de big tour de ambas as equipes definem quem será medalha de bronze

Primeiro conjunto dos EUA a competir, Nora Batchelder fez 71,529% com Faro Sqf não conseguindo pontuar acima das canadenses. A pontuação mais alta da dupla foi dada por Janet Lee Foy, dos EUA (72,941%), e a menor pela australiana Mary Seefried (70,735%) — a canadense Brenda Minor atribuiu 71,029% ao conjunto.

A chilena Virginia Yarur, nona colocada no geral ontem (69,500% na PSJ) com E Rava, teve muitos problemas perto de ‘x’, com o cavalo reagindo e dando corcoves, o que levou a nota dela a despencar para 61,265%.

As provas estão sendo julgadas no dia 29/07, por Mary Seefried (Austrália) em C; Brenda Minor (Canadá) em E; Janet Lee Foy (EUA) em M; Thomas Kessler (Alemanhã) em B e Eduard De Wolff Van Westerrode (Holanda) em H, que também responde pela presidência do júri.

Adestramento Brasil está no Peru, fazendo a cobertura in loco. Acompanhe todas as matérias dos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019.


Apoie_AB_PayPalAssim como diversos sites jornalísticos, Adestramento Brasil não fechou o conteúdo para assinantes, mas dependemos do apoio de leitores como você para continuar existindo. 

Uma resposta para “Lima 2019: manhã do 2º dia termina com João Paulo em 4º e Brasil à frente do México”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.