Tóquio 2020: França e Áustria ocupam vagas abertas por Brasil e África do Sul

Com as vagas por equipe abertas pelo Brasil e pela África do Sul, por não conseguiram entregar o certificado de capacidade (“NOC Certificate of Capability” ou COC), França e Áustria devem disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. De acordo com o regulamento de adestramento da FEI para a olimpíada (item F), as cotas por equipe que ficam abertas são redistribuídas para o que a Federação Equestre Internacional (FEI) chama de “composite team”. As equipes compostas contam com três membros de uma mesma nação selecionados segundo o FEI Olympic Ranking.


Apoie_AB_PayPalApoie o jornalismo profissional
Desde o lançamento, Adestramento Brasil leva informação confiável e relevante, ajudando aos leitores a compreender a modalidade. Não fechamos o conteúdo para assinantes. Por isto, contamos com a colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.
Prefere anunciar? Confira o mídia kit e fique por dentro das opções para divulgar a sua marca: escreva para contato@adestramentobrasil.com


As definições com relação às alocações das cotas individuais e composite team serão informadas pela FEI até 17 de fevereiro, mas com o CDI-W Mechelen, na Bélgica, sendo o último possível para obter os índices, os resultados do Ranking Olímpico da FEI apontam que França e Áustria ocuparão os postos. As vagas, tanto individuais como por equipe, são dos países, que devem indicar os respectivos atletas e animais que defenderão as bandeiras dentro do prazo estipulado pela FEI.

Além desses, também é possível verificar os países que terão conjuntos na disputa individual. Ainda sem confirmação oficial da FEI, tudo indica que Finlândia e Noruega ocuparão as vagas do grupo A (Norte da Europa Ocidental); Luxemburgo e Suíça, do grupo B; Ucrânia e Bielorrússia pelo grupo C;  Brasil, República Dominicana, Bermudas e México pelo grupo D e E;  África do Sul e Marrocos, do grupo F; Nova Zelândia e Coréia do Sul pelo grupo G. A Bélgica deve concorrer com um conjunto individual com base no ranking olímpico.

O certificado de capacidade precisa ser entregue até 31 de dezembro à FEI. Cada país deve ter, pelo menos, três conjuntos diferentes que tenham atingido os requisitos mínimos de elegibilidade (MER, na sigla em inglês para minimum eligibility requirements). Para o MER, cada conjunto precisa obter, em duas competições diferentes, porcentual de, no mínimo, 66% tanto na nota final como na nota atribuída por juiz FEI 5* na prova de grande prêmio (GP) em CDIs 3*, 4* e 5*, CDI-W e/ou CDIO. Além disto, o juiz FEI 5* precisa ser de nacionalidade distinta do atleta.

Com as mudanças, as equipes para Tóquio 2020 devem representar Japão (país-sede); Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Holanda e Espanha (vagas conquistadas no WEG 2018); Dinamarca, Irlanda e Portugal (Campeonato Europeu 2019); Rússia pelo grupo C, mas o país deve competir com bandeira neutra, após punição por doping; Canadá (Pan-Americano de Lima); Austrália; e agora França e Áustria.

Cronograma
Os países têm até o dia 16 de março para confirmar para a FEI se usarão a cota individual e a cota dos “composite teams”. Depois, têm até o dia 1º de junho para nomear o conjunto que representará a nação — é nesta data também que todos os conjuntos competindo em Tóquio 2020 precisam apresentar o certificado de capacidade individual contendo os MERs. A data prevista para a entrega da inscrição definitiva é 6 julho.

Além disso, de acordo com o artigo 139 do Regulamento Geral da FEI e dos artigos 606 e 620 do Regulamento da FEI para Eventos Equestres nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, a nacionalidade do dono de um cavalo competindo em Tóquio 2020 deve ser a mesma que a nacionalidade do atleta que monta o cavalo. O proprietário do cavalo e sua nacionalidade devem ser inseridos no banco de dados da FEI até 15 de janeiro de 2020.

Se a nacionalidade do cavalo for alterada entre 15 de janeiro de 2020 e Tóquio 2020, o cavalo não será elegível para competir no Tóquio 2020 (os proprietários podem mudar desde que a nacionalidade seja mantida).

CDIs para MERs
A FEI já divulgou a lista de concursos internacionais de adestramento (CDIs) válidos para obtenção dos requisitos mínimos de elegibilidade, que todos os conjuntos, competindo por equipe e individualmente, precisam alcançar até 1º de junho de 2020.

Na lista da FEI, há três CDIs 3* agendados no Brasil válidos para obtenção de MERs. Todos são em São Paulo: de 27 a 29 de março, de 17 a 19 de abril e de 15 a 17 de maio. Como o calendário oficial da CBH não foi publicado, ainda não há confirmação se, de fato, estes CDIs vão ocorrer.

Disputa individual no Brasil
Até o momento, a CBH não divulgou como será a seleção do conjunto que representará o Brasil na vaga individual. A confederação divulgou em setembro comunicado com o processo seletivo para as vagas no time, no qual buscava resultados acima dos 68% em provas de grande prêmio, tanto com juiz FEI 5* quanto no porcentual final.

Na época, a CBH também definiu que o reserva do time seria o conjunto que obtivesse a média mais alta considerando seus dois melhores resultados em provas de GP disputadas entre os Jogos Pan-Americanos de Lima e 31 de dezembro de 2019, nas provas validadas pela Federação Equestre Internacional (FEI).

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.