FEI coloca proteção acima de tradição e capacete torna-se obrigatório

Em sua  Assembleia Geral, encerrada na última terça-feira (19/11), a Federação Equestre Internacional decidiu tornar obrigatório o uso de capacete em todas as provas montadas a partir de 1º de janeiro de 2021. Além das resoluções que já haviam anunciadas, foi aprovado novo regulamento de enduro e decidido que rédeas permanece como disciplina FEI. Também foram nomeados novos membros para os comitês e líderes dos grupos regionais e eleito o vice-presidente da federação.   


Apoie_AB_PayPalApoie o jornalismo profissional
Desde o lançamento, Adestramento Brasil leva informação confiável e relevante, ajudando aos leitores a compreender a modalidade. Não fechamos o conteúdo para assinantes. Por isto, contamos com a colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.
Prefere anunciar? Confira o mídia kit e fique por dentro das opções para divulgar a sua marca: escreva para contato@adestramentobrasil.com


Com relação ao capacete, assim que alteradas, as novas regras constarão do regulamento geral da FEI (ver aqui). A proposta discutida modifica o artigo 140 do regulamento. A FEI permitirá que cada disciplina decida sobre quando e se os atletas poderão remover o capacete, por exemplo, durante o hino e cerimônia de premiação.

Segundo o que foi decidido, a partir de 1º de janeiro de 2021, fica obrigatório para todos os atletas a usarem equipamentos de proteção aprovados em suas cabeças sempre que montados nos recintos de eventos da FEI, inclusive na arena de adestramento. A aprovação da nova regra ocorreu, segundo o site Eurodressage, em meio a críticas de federações representando países com uma forte cultura de adestramento. A matéria citou que o delegado holandês Maarten van der Heijden, secretário-geral da Federação Equestre Holandesa (KNHS), que afirmou estranhar o fato de atrelagem e volteio terem ficado de fora da regra.

Ao reportar a obrigatoriedade do uso de capacete, o site Eurodressage também destacou a fala de Frank Kemperman, líder do Comitê de Adestramento da FEI, de que “tradição é importante no nosso esporte, mas é difícil não seguir os conselhos da comunidade médica”. Ao que continuou: “não há argumentos realmente fortes contra o uso de capacetes de proteção em adestramento, exceto que é uma tradição”.

O noticiário explicou ainda que a nova regra se aplica apenas a disciplinas montadas e à fase de maratona de atrelagem. Citando Kemperman, o site diz que no volteio, com base em estudos e, principalmente, considerando que geralmente são crianças nos cavalos, os capacetes podem desbalancear o peso e seu uso pode ser contraproducente.

Na sessão principal da Assembleia Geral contou com 120 votantes, sendo 91 representes de federações nacionais presentes in loco e 29 procuradores. Conheça outras decisões:

  • Depois de parabenizar Jack Huang (TPE) como novo vice-presidente da FEI, Ingmar De Vos, presidente da FEI recebeu dois novos membros da diretoria, Marina Sechina, a recém-eleita presidente do Grupo Regional III da FEI, e Sami Al Duhami (KSA), o novo presidente da Regional Regional da FEI Grupo VII.
  • Nayla Stössel (Suiça), que foi eleita para o Comitê de Nomeações da FEI durante a Assembléia Geral, foi eleita como presidente do Comitê pelo Conselho da FEI.
  • A diretoria aprovou as regras para a Longines FEI Jumping Nations Cup ™ 2020 e para a EEF Jumping Nations Cup 2020. A aprovação final das regras da Liga dos Campeões Globais 2020 (Global Champions League) foi adiada até que o board tenha esclarecimentos adicionais em várias áreas.
  • Como as regras de qualificação para os Jogos Olímpicos da Juventude 2022 em Dakar precisam ser adaptadas, uma proposta será apresentada à diretoria em dezembro e depois encaminhada ao COI para aprovação. Da mesma forma, uma decisão sobre o reagendamento do Campeonato Pan-Americano de Enduro, a ser realizado no Chile, mas adiada por distúrbios civis no país, e a alocação do Campeonato Mundial de Enduro e Rédeas da FEI em 2022 será tomada na FEI teleconferência do conselho no próximo mês.

Na reunião de diretoria de sábado 16/11, foram aprovadas regras para reger as diversas modalidades. No que tange ao adestramento, algumas das resoluções foram:

  • Aprovadas as emendas ao regulamento da Copa do Mundo de Adestramento da FEI 2020/2021 e da Copa das Nações de Adestramento da FEI 2020. As regras serão publicadas oportunamente no site da FEI (aqui).
  • Criado um grupo de trabalho para revisar o formato das Copa das Nações (FEI Dressage Nations) que apresentará propostas para a série 2021.
  • Patrik Kittel foi nomeado para o Comitê de Adestramento da FEI para o período de 2019-2023. Ele entra no lugar de Klaus Roeser. No comitê de paradressage, entrou Michel Assouline no lugar de Hope Hand.
  • Aprovado regulamento veterinário da FEI 2020. Será publicado aqui em breve.
  • Definidas as datas dos Campeonatos Mundiais de 2022, que ocorrem no lugar dos Jogos Equestres Mundiais (WEG). Leia matéria completa.

A Assembleia Geral da FEI atua como uma plataforma para discussões e votação das principais decisões da entidade e da governança do esporte. A cada ano, ela é realizada em um local diferente a cada ano. Em 2019, ela ocorre de 16 a 19 de novembro, no Hyatt Regency Moscow Petrovsky Park Hotel, na Rússia. A Assembleia Geral da FEI de 2020 será em Joanesburgo, na África do Sul, de 14 a 22 de novembro.

Assista às reuniões Assembleia Geral da FEI:

Manhã

Tarde

Crédito foto: FEI / Liz Gregg

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.