João Victor Oliva e Escorial Horse Campline aptos para competir nos Jogos de Tóquio

João Victor Marcari Oliva conquistou os requisitos mínimos de elegibilidade (MERs) e está apto para competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio com o puro sangue lusitano Escorial Horsecampline. O conjunto obteve o segundo índice, no sábado 24/4, no CDI 3* de Abrantes, em Portugal. Oliva tinha MERs com F-Aron de Massa, porém, não está mais com a montaria. Além dele, Pedro Tavares de Almeida e Xaparro do Vouga também têm MERs. Agora, o Brasil conta com dois conjuntos aptos a disputar a Olimpíada do Japão.


Apoie_AB

Informação bem apurada, confiável e relevante faz toda a diferença. Enquanto agradecemos a todos apoiadores e anunciantes do site, reforçamos que precisamos da colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.

Clique e seja um apoiador via Paypal. Você que escolhe o valor!

Você também pode contribuir anunciando ou fazendo Pix (contato@adestramentobrasil.com)


Montando Escorial Horsecampline (Spartacus x Edo x Yap), João Victor Oliva fechou sua participação com porcentual final de 69,130%, tendo 69,487% com Frederico Pinteus (FEI 3, por Portugal); 67,826% com Maarten Van der Heijden (FEI 4 pela Holanda); 68,478% com Isobel Wessels (FEI 5* pelo Reino Unido); 68,043% com Francis Verbeek van Rooy (FEI 5, pela Holanda); e 71,848% com Irina Maknami (FEI 5, da Rússia).

“O cavalo estava bem dentro de pista; a prova no geral foi boa, mas têm muitas coisas para serem melhoradas”, contou ao Adestramento Brasil. “Agora, o mais difícil, que eram os índices, a gente já conseguiu. Então, é focar para melhorar os detalhes e treinar para melhorar cada dia.”

Oliva e Escorial terminaram a participação no GP em quinto lugar. A competição foi vencida por José Garcia Mena e Divina Royal (72,783%), seguido de Rodrigo Torres e Fogoso Horsecampline (72,652%), Martim Meneres e Equador (69,457%) e, em quarto, Mena com Cuba Libre (69,326%).

Oliva começou a montar Escorial Horsecampline em setembro de 2020 dando início ao que chamaram de “Projeto Olímpico”, idealizado pela JRME Horse Campline, fundo de investimentos focado em equinos e proprietária de Escorial Horsecampline, garanhão lusitano.

A dupla fez o primeiro índice na estreia em um concurso internacional, registrando porcentual final 71,000% no grande prêmio do CDI3* de Alter do Chão em novembro do ano passado.

MERs
Após o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para meados de 2021, a Federação Equestre Internacional (FEI) decidiu que os conjuntos para estarem aptos precisam obter os requisitos mínimos de elegibilidade (MER, na sigla em inglês para minimum eligibility requirements) até o dia 21 de junho de 2021, sendo que aqueles que tiverem obtido MER (ou seja, os dois índices requisitados) no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2019 precisam alcançar um resultado adicional para confirmação do resultado entre 1º de janeiro de 2020 de 21 de junho de 2021.

A prova foi transmitida em tempo real:

Imagem: reprodução da transmissão

2 respostas para ‘João Victor Oliva e Escorial Horse Campline aptos para competir nos Jogos de Tóquio’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.