EHV-1 já fez seis vítimas; Doha teve caso e FEI divulga protocolo para CSI5* de Al Shaqab

Um cavalo alemão que chegou ao Catar para o CHI de Al Shaqab testou positivo para EHV-1. O animal havia chegado de Valência (Espanha) e foi transferido para a unidade de isolamento em uma clínica veterinária vizinha, juntamente com um segundo cavalo alemão que retornou um resultado inconclusivo e continuará a ser testado novamente, informou a Federação Equestre Internacional (FEI), em boletim de atualização, divulgado em 3/3, sobre o surto causado por uma cepa muito agressiva da forma neurológica do vírus do herpes equino (EHV-1).


Apoie_AB

Informação bem apurada, confiável e relevante faz toda a diferença. Enquanto agradecemos a todos apoiadores e anunciantes do site, reforçamos que precisamos da colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.

Clique e seja um apoiador via Paypal. Você que escolhe o valor!

Você também pode contribuir fazendo um Pix ou anunciando.


Devido à rápida evolução surto, a Federação Equestre Internacional (FEI) cancelou eventos internacionais de todas as modalidades regidas pela entidade em dez países no continente europeu até 28 de março de 2021.A doença se originou em Valência, na Espanha, e se propagou para outros países europeus.

De acordo com a FEI, em situação no local de Valência, embora ainda extremamente angustiante para atletas e proprietários, a situação vem melhorado. Um total de 83 cavalos no local está mostrando sinais clínicos e estão sendo tratados. Quinze cavalos estão atualmente em tratamento em clínicas externas (13 em Valência e duas em Barcelona). Não houve mais mortes de equinos no local em Valência desde o fim de semana passado, mas um cavalo morreu em um hospital veterinário em Barcelona e outro morreu na Alemanha. Ambos os animais cavalos estiveram em Valência. Com isso, são seis mortes até o momento devido a EHV-1.

No Catar, quatro cavalos que competiram em Valência chegaram às competições em 20 de fevereiro, tendo deixado o local espanhol no início do mês. Dos quatro, dois cavalos colombianos haviam partido de Valência em 7 de fevereiro e os dois cavalos alemães partiram de Valência em 12 de fevereiro, oito dias antes da FEI ser notificada do surto de EHV-1.

Em 22 de fevereiro, a FEI identificou todos os 752 cavalos que estiveram em Valencia desde 1 de fevereiro e bloqueou-os na base de dados da FEI, o que significa que não podem entrar em quaisquer eventos chancelados pela federação internacional até que tenham cumprido os requisitos de teste necessários. Isto incluiu os quatro cavalos que viajaram para Doha.

A FEI informou que tem estado em contato com os organizadores do concurso de Doha continuamente e que conduz uma análise de risco em curso da situação, juntamente com epidemiologistas líderes mundiais. Neste fim de semana, de 4 a 6 de março, ocorre o CSI 5* no local. Com base nas medidas adicionais de biossegurança já implementadas no local em Al Shaqab, a FEI concordou em manter a competição em Doha. No entanto, a FEI reserva-se o direito de cancelar o evento se houver alguma mudança na situação atual.

Os organizadores da FEI e do concurso de Doha convidaram todos os atletas, oficiais da FEI e os veterinários de equipe para uma reunião virtual para informá-los sobre as condições em que o evento tem permissão para continuar e responder a perguntas.

Essas condições incluem:

  • Manter protocolos de isolamento estritos para os dois cavalos alemães e dois cavalos colombianos. Além disso, os dois cavalos colombianos não poderão competir no evento em de acordo com os Regulamentos Veterinários da FEI.
  • As temperaturas de todos os cavalos devem ser medidas pelo menos duas vezes por dia por um tratador ou veterinário e registradas em uma folha fora do estábulo de cada cavalo; aleatoriamente também haverá verificações de temperatura e os oficiais da FEI manterão um gráfico registrando as temperaturas de todos os cavalos.
  • Os tempos de treinamento serão ajustados para minimizar o número de cavalos no aquecimento e arenas de treinamento. A fim de evitar que os cavalos se cruzem, dois portões separados serão usados para entrar e sair da arena de competição. Todos os caminhos de cavalos serão reorganizados para prevenir cavalos se cruzando.
  • Os dois cavalos alemães e dois cavalos colombianos serão transportados em voos separados de outros cavalos competindo no evento em Doha.
  • O organizador do concurso confirma que os atletas e equipes são livres para decidir se competem ou não e que nenhuma consequência ou sanção será aplicada aos atletas ou equipes dadas às circunstâncias excepcionais.
  • O organizador também irá garantir que nenhuma equipe irá penalizar ou sancionar qualquer um de seus atletas em caso de não participação no evento.
  • Durante o evento, haverá uma ligação diária (ou com mais frequência, se necessário) entre a FEI, os organizadores e oficiais relevantes da FEI no local, com, inclusive, a participação do presidente do International Jumping Riders Club (IJRC), Kevin Staut (da França).
  • O tratamento e teste de cavalos podem ocorrer no próprio estábulo do cavalo sob supervisão de um oficial da FEI.

6 respostas para ‘EHV-1 já fez seis vítimas; Doha teve caso e FEI divulga protocolo para CSI5* de Al Shaqab’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.