Ganhará a Alemanha sua 14ª medalha olímpica de ouro por equipes?

Por FEI*

A Alemanha tem um longo e formidável recorde no adestramento nos Jogos Olímpicos. Desde que a competição por equipes foi introduzida em Amsterdã (Holanda) em 1928, quando a Alemanha derrotou a Suécia, que levou a prata, e a Holanda que ficou com o bronze, eles venceram 13 das 20 competições olímpicas por equipes. Será que a 14ª medalha de ouro está logo ali? 

A derrota para a Grã-Bretanha em Londres em 2012 foi o único obstáculo em uma corrida que começou em Los Angeles em 1984, quando os grandes Reiner Klimke e Ahlerich lideraram o galope da vitória. Apesar de todas as interrupções dos últimos 18 meses devido à pandemia de Covid-19 e ao surto do vírus do herpes equino (EHV-1) na Europa continental, a equipe da Alemanha chega aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 como forte favorita para fazer tudo mais uma vez.

Isabell Werth lidera o line-up com a égua Bella Rose e detém a posição número um do mundo. E, sustentando a força absoluta do desafio alemão, ela será acompanhada pelos números dois e quatro mundiais , Jessica von Bredow-Werndl com TSF Dalera BB e Dorothee Schneider com Showtime FRH. Com Helen Langehanenberg e sua égua Annabelle na reserva, eles parecem uma força imparável.

No entanto, o formato de três por equipe introduzido nos Jogos deste ano pode ser altamente influente. Um dia de folga para apenas um membro da equipe e a história pode ser muito diferente, porque cada apresentação será crítica.

Dupla dinâmica

Nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Grã-Bretanha conquistou a prata e a Holanda o bronze por equipe e, desta vez, os britânicos enviaram a dupla dinâmica de Charlotte Dujardin e Carl Hester mais uma vez, mas ambos em cavalos relativamente não expostos a competições deste porte.

A decisão de Dujardin de escolher Gio, de 10 anos, em vez de sua égua de 12 anos consideravelmente mais experiente Mount St John Freestyle — que estava em grande forma em Hagen (Alemanha) em abril e que levou tudo no internacional de Wellington (Grã-Bretanha) — em maio foi uma surpresa. Mas a atleta, cuja parceria recorde com o agora aposentado Valegro ajudou a popularizar este esporte como poucos antes dela, é apoiada por Hester e Charlotte Fry com Everdale. Além disso, Dujardin sempre será altamente competitiva.

Edward Gal com Total US e Hans Peter Minderhoud com Dream Boy lideram a equipe holandesa; Patrik Kittel (Well Done de la Roche) lidera o contingente sueco e Steffen Peters (Suppenkasper) será uma forte âncora para a equipe dos EUA. Enquanto isso, a equipe da Bélgica fará um pouco da história olímpica ao fazer sua primeira aparição desde 1928.

Quando se trata de honras individuais, todos os olhos estarão voltados para Cathrine Dufour da Dinamarca e seu fabuloso cavalo Bohemian. A dupla obteve duas vitórias consecutivas na primeira liga da FEI Dressage World Cup ™ 2020/2021 em casa em Aarhus (Dinamarca), deixando Werth e von Bredow-Werndl em segundo e terceiro.

Mas, quando a Covid fez atrasar a outra etapa a ocorrer em Salzburg (Áustria), em janeiro, von Bredow-Werndl mostrou um novo nível de desempenho com seu parceiro medalha de ouro FEI World Equestrian Games ™ 2018, TSF Dalera BB — e, desde então, tem sido cada vez mais forte. Agora, este conjunto parece uma ameaça real para todos os outros na batalha pela glória olímpica individual.

Menos óbvio

No entanto, nos Jogos Olímpicos, os que roubam a cena costumam ser os menos óbvios. A australiana Mary Hanna, cujo cavalo Calanta foi o primeiro a chegar aos estábulos do Baji Koen Equestrian Park, em Tóquio, no início desta semana, é um exemplo disso. Os fãs de hipismo em todo o mundo já estão colocando seus corações atrás desta mãe de dois filhos e avó de quatro que, aos 66 anos, está participando de sua sexta Olimpíada.

Além dos Jogos de Pequim em 2008, ela é membro de todas as equipes olímpicas australianas de adestramento desde 1996, e isso é um recorde. Mary Hanna está mais orgulhosa do que nunca por hastear a bandeira de seu país ao lado de Kelly Layne montando Samhitas e Simone Pearce com Destano.

Na última vez em que os Jogos Olímpicos foram realizados em Tóquio, em 1964, Baji Koen foi o palco de dressage, que era um esporte muito diferente naquela época.

No grande prêmio, as pontuações eram anunciadas após cada apresentação que eram filmadas e depois avaliadas pelos juízes Frantisek Jandl, Gustaf Nyblaeus e Georges Margot. O público, as equipes e a mídia tinham de esperar duas horas antes que os resultados finais fossem anunciados. Deve ser um pouco mais rápido desta vez!

O suíço Henri Chammartin com Woerman foi eventualmente considerado o campeão individual, e o título por equipe foi para o alemão Harry Boldt com Remus, Josef Neckermann com Antoinette e Reiner Klimke com Dux.

O que é adestramento

Adestramento é treinar o cavalo para um alto nível e destacar sua capacidade atlética e a beleza de seus movimentos. No melhor dos casos, cavalo e cavaleiro estão em completa harmonia e juntos parecem “dançar”!

Como vai ser 

Todos os atletas devem participar do grande prêmio, que acontecerá nos dias 24 e 25 de julho e é um classificatório para as competições por equipes e individuais. A classificação do ranking será decidida pelos resultados de todos os três membros da equipe.

Os atletas competem em seis grupos, com três grupos competindo em cada um dos dias. A composição dos grupos é baseada na posição da lista do Ranking Mundial da FEI da combinação de atleta e cavalo na data das inscrições definitivas (5 de julho de 2021).

As oito melhores equipes do GP (e aquelas empatadas no oitavo lugar) se qualificarão para o grande prêmio especial em 27 de julho.

Durante o período entre a qualificação por equipe (GP) e até duas horas antes do início da final por equipe (GP especial), o chefe de equipe pode substituir um conjunto. No entanto, o conjunto substituto não terá o direito de competir na final freestyle.  

A reprise de estilo livre do grande prêmio é a competição final individual, aberta a 18 combinações qualificadas no GP. Os atletas classificados serão os dois primeiros conjuntos de cada um dos seis grupos e os conjuntos com as seis próximas pontuações mais altas.

Os testes de adestramento a serem executados são o grande prêmio da FEI, o grande prêmio especial da FEI e o grande prêmio estilo livre da FEI. (continua abaixo…)


Apoie_AB

Informação bem apurada, confiável e relevante faz toda a diferença. Enquanto agradecemos a todos apoiadores e anunciantes do site, reforçamos que precisamos da colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.

Clique e seja um apoiador via Paypal. Você que escolhe o valor!

Você também pode contribuir anunciando ou fazendo Pix (contato@adestramentobrasil.com)


Fatos e números

  • 30 países
  • 15 times
  • 15 países representados por concorrentes individuais
  • 60 conjuntos (cavalo/atleta)

A Alemanha é a atual campeã por equipes e busca seu 14º título olímpico de adestramento equestre por equipes. 

Na história do adestramento equestre Olímpico, que remonta a 1912, a Alemanha sempre foi a força dominante, conquistando 13 títulos por equipes e sete individuais.

A atual campeã individual é a britânica Charlotte Dujardin, que conquistou a medalha de ouro com o grande Valegro nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e Rio 2016

Dujardin e Valegro estabeleceram consistentemente recordes mundiais ao longo de sua espetacular carreira juntos e continuam a deter todos os três recordes mundiais em adestramento (FEI Grand Prix, FEI Grand Prix Special e FEI Grand Prix Freestyle).

No London International Horse Show, em 2014, eles estabeleceram o recorde do grande prêmio em 87,460% e, no mesmo evento, postaram um novo recorde mundial de estilo livre ao atingir 94,300%. E o recorde mundial do grande prêmio especial de 88,022%, que estabeleceram em Hagen (ALE), em 2012, nunca foi batido.

A alemã Isabell Werth (51 anos) competirá em seus sextos Jogos Olímpicos. Atleta mais medalhada da história do hipismo, ela tem dez medalhas olímpicas em sua sala de troféus e seis delas de ouro, a primeira concedida em Barcelona (ESP) em 1992 e a última no Rio de Janeiro (BRA) em 2016.

No Rio, Werth ultrapassou o recorde mantido por muitos anos pela holandesa Anky van Grunsven, que conquistou nove medalhas olímpicas ao longo de sua carreira espetacular.

Montando Gigolô, Werth conquistou o ouro individual em Atlanta (EUA) em 1996 e foi quatro vezes medalha de prata individual.

Caroline Chew, 27, deve se tornar a primeira cingapuriana a competir no esporte equestre nos Jogos Olímpicos, competindo no adestramento.

Os oficiais

A presidente do júri de adestramento é a alemã Katrina Wuest.

Os membros do júri de adestramento são: Andrew Gardner (Grã-Bretanha), Francis Verbeek (Holanda), Hans-Christian Matthiesen (Dinamarca), Janet Foy (EUA), Susie Hoevenaars (Áustria) e Magnus Ringmark (Suécia).

A delegada da FEI para adestramento é a australiana Mary Seefried.

O Painel de Supervisão de Juízes (JSP) foi introduzido pela FEI em 2011 para fornecer um sistema de backup oficial para corrigir quaisquer erros de marcação (notas) em todos os principais eventos, incluindo Jogos Olímpicos.

Os membros do JSP nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 são: David Hunt (Grã-Bretanha), Liselotte Fore (EUA) e Maribel Alonso (México).

A chefe steward geral (comissária-chefe) é Maria Hernek (Suécia).

O comissário-chefe de adestramento é Jacques van Daele (Bélgica).

Um dos oficiais mais identificáveis ​​de plantão durante os Jogos será o canadense Pedro Cebulka.

As equipes:

Austrália: Mary Hanna (Calanta), Kelly Layne (Samhitas), Simone Pearce (Destano).

Áustria: Florian Bacher (Fidertraum), Victoria Max-Theurer (Abegglen NRW), Christian Schumach (Te Quiero SF).

Bélgica: Laurence Roos (Fil Rouge), Domien Michiels (Intermezzo van het Meerdaalhof), Larissa Pauluis (Flambeau). Suplente: Alexa Fairchild (Dabanos D’O4).

Canadá: Brittany Fraser-Beaulieu (All In), Lindsay Kellock (Sebastien), Chris von Martels (Eclips). Suplente: Naima Moreira Laliberte (Estadista).

Dinamarca: Cathrine Dufour (Boêmia), Carina Kassae Krüt (Danciera de Heiline), Nanna Skodborg Merrald (Zack). Suplente: Charlotte Heering (Bufranco).

França: Alexandre Ayache (Zo What), Morgan Barbancon (Sir Donnerhall II OLD), Maxime Collard (Cupido PB). Suplente: Isabelle Pinto (Hot Chocolat VD Kwaplas).

Alemanha: Isabell Werth (Bella Rose 2), Jessica von Bredow-Werndl (TSF Dalera BB), Dorothee Schneider (Showtime FRH). Suplente: Helen Langehanenberg (Annabelle 110).

Grã-Bretanha: Charlotte Dujardin (Gio), Charlotte Fry (Everdale), Carl Hester (En Vogue). Suplente: Gareth Hughes (Sintano van Hof Olympia).

Japão: Kazuki Sado (Ludwig Der Sonnenkoenig 2), Shingo Hayashi (Scolari 4), Hiroyuki Kitahara (Huracan 10). Suplente: Masanao Taahashi (Rubicon).

Holanda: Marlies Van Baalen (Go Legend), Edward Gal (Total US), Hans Peter Minderhoud (Dream Boy). Suplente: Dinja van Liere (Alta Costura).

Portugal: João Miguel Torrão (Equador), Maria Caetano (Fenix ​​de Tineo), Rodrigo Torres (Fogoso). Suplente: Carlos Pinto (Sultao Menezes).

ROC: Inessa Merkulova (Mister X), Tatyana Kosterina (Diavolessa VA), Aleksandra Maksakova (Bojengels). Suplente: Maria Shuvalova (Famous Cross). (Após exclusão por doping, Rússia utilizará sigla “ROC” nas Olimpíadas de Tóquio)

Espanha: Beatriz Ferrer-Salat (Elegance), Severo Jurado Lopez (Fendi T), Jose Antonio Garcia Mena (Sorento 15). Suplente: Jose Antonio Garcia Mena (Divina Royal).

Suécia: Patrik Kittel (Well Done De La Roche CHF), Therese Nilshagen (Dante Weltino OLD), Juliette Ramel (Buriel KH). Suplente: Antonia Ramel (Brother de Jeu).

EUA: Adrienne Lyle (Salvino), Steffen Peters (Suppenkasper), Sabine Schut-Kery (Sanceo). Suplente: Nick Wagman (Don John).

Individuais:

  • Brasil: João Victor Marcari Oliva (Escorial).
  • Chile: Virginia Yarur (Ronaldo).
  • República Dominicana: Yvonne Losos de Muniz (Aquamarijn).
  • Estônia: Dina Ellermann (Donna Anna).
  • Finlândia: Henri Ruoste (Kontestro DB).
  • Irlanda: Heike Holstein (Sambuca).
  • Itália: Francesco Zaza (Romance Wispering).
  • Coreia: Dong Seon Kim (Belstaff).
  • Luxemburgo: Nicolas Wagner Ehlinger (Quater Back Junior FRH).
  • Marrocos: Yessin Rahmouni (All At Once).
  • México: Martha Fernanda Del Valle Quirarte (Beduino Lam).
  • República da África do Sul: Tanya Seymour (Ramoneur 6).
  • Cingapura: Caroline Chew (Tribiani).
  • Suíça: Estelle Wettstein (West Side Story OLD).
  • Ucrânia: Inna Logutenkova (Fleraro).

As nações:

Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, Dinamarca, República Dominicana, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Irlanda, Itália, Japão, Coréia, Luxemburgo, Marrocos, México, Holanda, Portugal, Espanha, República da África do Sul, ROC, Cingapura, Suécia, Suíça, Ucrânia, EUA.

Links

Crédito foto: FEI/Richard Juilliart

* Texto distribuído pela FEI e traduzido por Adestramento Brasil.

4 respostas para ‘Ganhará a Alemanha sua 14ª medalha olímpica de ouro por equipes?’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.