João Oliva e Thiago Mantovani, da Horse Campline, comentam convocação para Tóquio

ATUALIZADA – Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) formalizou a convocação de João Victor Marcari Oliva e Escorial Horse Campline para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio e colocou Pedro Manuel Tavares de Almeida de reserva tanto com Famous do Vouga como com Xaparro do Vouga. Adestramento Brasil já havia antecipado as médias de cada conjunto, a partir do acompanhando dos porcentuais segundo as regras da entidade (confira aqui o documento). João Oliva e o puro sangue lusitano Escorial Horse Campline ficaram com média de 70,565%, Pedro Almeida e Famous do Vouga, 68,598%; e com Xaparro do Vouga, 66,108%.


Apoie_AB

Informação bem apurada, confiável e relevante faz toda a diferença. Enquanto agradecemos a todos apoiadores e anunciantes do site, reforçamos que precisamos da colaboração de pessoas como você para seguir com a produção editorial.

Clique e seja um apoiador via Paypal. Você que escolhe o valor!

Você também pode contribuir anunciando ou fazendo Pix (contato@adestramentobrasil.com)


“Estou muito contente com a qualificação. Pelo pouco tempo que estamos juntos, já estamos conseguindo representar o Brasil nos Jogos Olímpicos. Estou contente em ter um cavalo tão bom como o Escorial, um cavalo que nos entendemos muito bem e em pouco tempo. Agora é focar para melhorar os detalhes e tentar fazer o nosso melhor nos Jogos”, disse Oliva ao Adestramento Brasil.

João Victor Oliva começou a montar Escorial Horse Campline em setembro de 2020 dando início ao que chamaram de “Projeto Olímpico”, idealizado pela JRME Horse Campline, fundo de investimentos focado em equinos e proprietária de Escorial Horse Campline, garanhão lusitano. A dupla fez o primeiro índice na estreia em um concurso internacional, registrando porcentual final 71,000% no grande prêmio do CDI3* de Alter do Chão em novembro do ano passado.

No início do mês, após se apresentar em provas de grande prêmio e GP especial, ficando em 11º lugar em ambas, com 70,130% no GP e 69,341% no GPS no CDI 3* de Compiègne, na França, Oliva já havia dito que o próximo passo era se preparar para chegar às Olimpíadas melhor ainda. “Temos ainda muito para melhorar; e essa é a melhor parte”, disse a este noticiário, depois de competir o CDI 3* de Compiègne, na França.

“Estamos convictos que vamos ter um grande desempenho no Jogos Olímpicos. Desde o momento que pensei em adquirir o Escorial, não foi sem motivo, foi pensando na regularidade que ele tem como um cavalo reprodutor e no equilíbrio como um atleta. Tudo que eu pensei está sendo colocado em prática. É um binómio de alto rendimento com margem para evoluir mais!”, disse Thiago Mantovani, da Horse Campline.

Para Mantovani, o Escorial e o João formaram um casamento perfeito. “Eles vão fazer coisas inesquecíveis para o Brasil e para raça puro sangue lusitano, uma vez que já é o binómio com recorde de nota em uma qualificação olímpica no Brasil. Esse é o primeiro capítulo de uma história que vai ser construída com muita raça de um time novo e unido”, completou.

Rodrigo Torres montando Fogoso Horse Campline

Além de Escorial, Mantovani conta com outro conjunto nos Jogos: Rodrigo Torres e Fogoso Horse Campline que estão convocados para a equipe portuguesa. “Nosso plano de alto rendimento está no caminho certo. Vamos para os Jogos pela América do Sul, com o Brasil, e Europa, com Portugal. Estamos prontos para continuar a contribuição para o esporte e para o cavalo lusitano.”

De acordo com a CBH, meta para Tóquio será superar a marca dos últimos Jogos no Rio de Janeiro, quando o maior porcentual foi de João Vitor Marcari Oliva e Xamã dos Pinhais 68,071%, ficando na 46ª colocação (confira resultados completos do Rio 2016). A CBH também quer que o Brasil supere a marca do melhor resultado individual da modalidade na história dos Jogos, que até hoje cabe ao Coronel Sylvio Marcondes de Rezende com Othelo em Munique, na Alemanha, em 1972, quando ficou na 25ª posição.

Os três conjuntos selecionados devem cumprir com as obrigações de documentos e procedimentos dentro dos prazos informados pela CBH e permanecer de prontidão para eventual entrada na quarentena em Aachen (Alemanha), a partir de 06 de julho de 2021.

Além dos Jogos Olímpicos, o Brasil já está planejando a ida aos Jogos Equestres Mundiais de Adestramento na Dinamarca em 2022. Os índices individuais para esse evento começaram a ser computados em 1º/1º/2021 e em breve a CBH divulgará o processo seletivo para a escolha da equipe para Dinamarca 2022.

Adestramento Brasil compilou o desempenho dos atletas e dos países em diversas edições de Jogos Olímpicos. Confira aqui a tabela completa.

Matéria atualizada em 24/06 para correção da colocação de Sylvio Rezende. A CBH havia divulgado que ele ficou em 33º, quando na verdade foi 25º.

Foto: reprodução Instagram

5 respostas para ‘João Oliva e Thiago Mantovani, da Horse Campline, comentam convocação para Tóquio’

  1. Prezados, seria possível enviar em pdf o Manual de Equitação Fundamental, de Ingrid Borghoff Troyko? Ou existe algum site para comprar a versão digital? Atenciosamente, Melissa Teixeira

    >

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.