No Mundial, João Victor Oliva bate recorde pessoal em GPS com Escorial

João Victor Marcari Oliva fez história no Campeonato Mundial de Adestramento de Herning, na Dinamarca. Ele não apenas foi o primeiro representante do Brasil a passar para a segunda fase da competição, como bateu seu recorde pessoal em prova de grande prêmio especial: 73,313% com o puro sangue lusitano Escorial Horsecampline, fechando o GPS em 21º lugar. Antes disso, a maior pontuação do conjunto em GPS em provas cinco estrelas havia sido no CDIO 5* de Aachen, neste ano, com 70,830% (no CDI 4* de Aachen de 2021, o conjunto fez 72,979%).

Adestramento Brasil já tem 5 anos! Gosta do jornalismo do site?
Ele só existe, porque pessoas como você apoiam ou anunciam.
Seja um anunciante ou contribua no valor que quiser via PayPal (cartão de crédito) ou Pix (contato@adestramentobrasil.com).

Comentaristas no Canal Olímpico do Brasil, canal do COB que fez a transmissão ao vivo, a juíza internacional FEI 4* Claudia Mesquita e o cavaleiro Vinícius Miranda elogiaram a apresentação do conjunto. Logo no início, Mesquita pontuou que Oliva e Escorial fizeram um alto correto e partiram com uma boa movimentação na parte de trote, tendo um alongado bem expressivo e com boa movimentação.

Eles ressaltaram ainda a boa encurvatura nos apoios e elogiaram as transições passage, trote alongado, passage, que mostrou, claramente, o efeito mola. Já o passo, na opinião de Mesquita, ainda que bem executado, poderia o cavalo estar mais relaxado nas espáduas.

O piaffer foi um dos pontos mais altos da prova. “Dentre todos os pontos fortes do cavalo, o piaffer é um dos mais fortes; as diagonais saltam, ele é bem equilibrado, com boa autossustentação, sem estar tenso”, assinalou a juíza. “É muito correto e muito impulsionado”, acrescentou Miranda.

O apoio ao galope foi bem fluente e as mudanças a dois tempos foram corretas. “Ele executou brilhantemente as mudanças a tempo, de forma ampla, reta, sem problema algum”, apontou Mesquita, que também elogiou as piruetas.

“Foi uma belíssima apresentação”, finalizou a juíza internacional FEI 4*. “De todas as apresentações que vi o João fazer em GPS, esta foi uma das melhores”, completou Miranda.

João Victor deixou a pista na Dinamarca sob aplausos do público, fechando o GPS com 74,255% com Elke Ebert (Alemanha), em K; 74,574% com Raphaël Saleh (França), em E; 70,745% com Anne Gribbons (EUA), em H; 72,979% com Mariette Sanders-Van Gansewinkel (Holanda), em C; 74,255% com Christof Umbach (Luxemburgo), em M; 73,511% com Peter Storr (Reino Unido), em B; e 72,872% com Susanne Baarup (Dinamarca), em F, tendo porcentual final de 73,313%.

Quebrando barreiras

João Victor Oliva é, hoje, o principal representante brasileiro no adestramento. E ele vem batendo recordes. Em Mundiais, na edição deste ano em Herning, ele superou em muito o melhor porcentual do Brasil, que era 65,512% dele mesmo com Xiripiti, em Tryon 2018. O recorde anterior, de 63,843%, era do próprio cavaleiro, mas com Signo dos Pinhais na edição da Normandia dos Jogos Equestres Mundiais em 2014. Até 2022, o Brasil nunca havia passado das provas de GP.

Único representante do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, João Victor Marcari Oliva e Escorial Horsecampline fizeram história na competição individual. O conjunto rompeu a barreira dos 70%, superando, assim, a marca dos últimos Jogos no Rio de Janeiro, quando o maior porcentual foi dele mesmo, mas com Xamã dos Pinhais: 68,071%, ficando na 46ª colocação.

Nos Jogos de Tóquio, a CBH também tinha como objetivo que o Brasil superasse a marca do melhor resultado individual da modalidade na história das Olimpíadas. E foi por pouco que Oliva não superou o recorde de colocação. Ele ficou na 26ª colocação, uma a mais que Sylvio Marcondes de Rezende, que, com Othelo, em Munique, na Alemanha, em 1972, ficou na 25ª posição.

>>> Confira a retrospectiva feita por Adestramento Brasil dos Jogos Pan-Americanos com vencedores e notas por países e o histórico do Brasil.

João Victor Oliva é duas medalhista de bronze por equipes em Jogos Pan-Americanos: em Toronto (7º lugar individual, com 73,275%, montando Xamã dos Pinhais) e em Lima (quando ficou em 12º lugar, com 70,665%, montando Biso das Lezírias). À época do Pan, Adestramento Brasil escreveu um perfil de João Oliva – releia aqui.

Oliva tem uma longa carreira internacional, com a participação nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e de Tóquio em 2021; em dois Jogos Equestres Mundiais, mais o Mundial de Herning; nos Pan-Americanos de Toronto e de Lima. Além disso, João Victor Oliva é medalha de ouro individual nos Jogos Sul-Americanos de 2014, com Xamã dos Pinhais, quando fez 70,781% no freestyle. É também a medalha de ouro por equipe, ao lado de João Paulo dos Santos e Veleiro Top, Leandro Silva com Di Caprio e Pia Aragão com Zepelim Interagro.

Foto: reprodução da transmissão

4 respostas para ‘No Mundial, João Victor Oliva bate recorde pessoal em GPS com Escorial’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.