Sergio de Fiori: “Classificar para o GPS foi uma conquista enorme”

O Mundial de Herning 2022 ficará na lembrança do adestramento como um marco. Pela primeira vez, um conjunto representando o Brasil passou para a segunda fase da competição. O 26º lugar no grande prêmio, com 72,112%%, levou João Victor Marcari Oliva, montando o lusitano Escorial, a competir no GP especial, quando seus 73,313% o colocaram em 21º lugar no geral. “Classificar para o GPS foi uma conquista enorme, um marco muito importante”, avaliou Sergio de Fiori, diretor de adestramento da Confederação Brasileira de Hipismo.

Adestramento Brasil já tem 5 anos! Gosta do jornalismo do site?
Ele só existe, porque pessoas como você apoiam ou anunciam.
Seja um anunciante ou contribua no valor que quiser via PayPal (cartão de crédito) ou Pix (contato@adestramentobrasil.com).

Além de Oliva, Nuno Chaves de Almeida, filho de portugueses, nascido no Rio de Janeiro, e que passou a competir pelo Brasil em abril de 2022, competiu com Feel Good VO. “O conjunto entrou em pista demonstrando muito boa qualidade, mas acabou cometendo alguns erros”, avaliou o diretor. Almeida e Feel Good pontuaram 62,904% e terminaram na 85ª posição.

Pedro Tavares de Almeida estava escalado com Famous do Vouga, mas o lusitano teve problema de saúde e foi retirado da seleção. O adestramento brasileiro tem como técnico Norbert Van Laak e a chefe de equipe é Pia Aragão. “Uma pena [o Brasil não levar equipe]. O Pedro e o Famous fizeram muita falta, mas, dessa vez, infelizmente não foi possível”, disse Fiori.

Para o diretor, o João mostrou uma equitação de alto nível nos dois dias. “E isso foi reconhecido pelo público, pelos juízes e por outros competidores. Ele conquistou um espaço na elite do esporte”, apontou.

E o que este Mundial significou para o País? Fiori responde: “Ficou o gostinho de trazer uma equipe completa e fazer mais. A perspectiva para o futuro é muito boa.”

Quebrando barreiras

João Victor Oliva é, hoje, o principal representante brasileiro no adestramento. E ele vem batendo recordes. Em Mundiais, na edição deste ano em Herning, ele superou em muito o melhor porcentual do Brasil, que era 65,512% dele mesmo com Xiripiti, em Tryon 2018. O recorde anterior, de 63,843%, era do próprio cavaleiro, mas com Signo dos Pinhais na edição da Normandia dos Jogos Equestres Mundiais em 2014. Até 2022, o Brasil nunca havia passado das provas de GP.

Único representante do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, João Victor Marcari Oliva e Escorial Horsecampline fizeram história na competição individual. O conjunto rompeu a barreira dos 70%, superando, assim, a marca dos últimos Jogos no Rio de Janeiro, quando o maior porcentual foi dele mesmo, mas com Xamã dos Pinhais: 68,071%, ficando na 46ª colocação.

Nos Jogos de Tóquio, a CBH também tinha como objetivo que o Brasil superasse a marca do melhor resultado individual da modalidade na história das Olimpíadas. E foi por pouco que Oliva não superou o recorde de colocação. Ele ficou na 26ª colocação, uma a mais que Sylvio Marcondes de Rezende, que, com Othelo, em Munique, na Alemanha, em 1972, ficou na 25ª posição.

>>> Confira a retrospectiva feita por Adestramento Brasil dos Jogos Pan-Americanos com vencedores e notas por países e o histórico do Brasil.

João Victor Oliva é duas medalhista de bronze por equipes em Jogos Pan-Americanos: em Toronto (7º lugar individual, com 73,275%, montando Xamã dos Pinhais) e em Lima (quando ficou em 12º lugar, com 70,665%, montando Biso das Lezírias). À época do Pan, Adestramento Brasil escreveu um perfil de João Oliva – releia aqui.

Oliva tem uma longa carreira internacional, com a participação nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e de Tóquio em 2021; em dois Jogos Equestres Mundiais, mais o Mundial de Herning; nos Pan-Americanos de Toronto e de Lima. Além disso, João Victor Oliva é medalha de ouro individual nos Jogos Sul-Americanos de 2014, com Xamã dos Pinhais, quando fez 70,781% no freestyle. É também a medalha de ouro por equipe, ao lado de João Paulo dos Santos e Veleiro Top, Leandro Silva com Di Caprio e Pia Aragão com Zepelim Interagro.

Foto: reprodução do Instagram da CBH / Luis Ruas

Uma resposta para “Sergio de Fiori: “Classificar para o GPS foi uma conquista enorme””

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.