Tag: Marcela Parsons

Brasil fica fora da disputa por equipes nos Jogos Paralímpicos de Tóquio

Após disputarem CPEDIs na Europa, os brasileiros não conseguiram a vaga por equipe para os Jogos Paralímpicos de Tóquio. Os resultados oficiais ainda serão divulgados pela Federação Equestre Internacional, mas, em sua conta em rede social, a diretora do paraequestre da CBH, Marcela Parsons, lamentou o Brasil não ter conseguido a vaga por equipe e ressaltou os expressivos resultados individuais. “Já estamos com o passaporte carimbado para os Jogos. As expectativas são muito boas e grandes chances de medalhas para o Brasil”, escreveu.
Leia mais

Na Europa, brasileiros competem para assegurar vaga por equipe no paraequestre

ATUALIZADA – Atletas brasileiros que competem no paraequestre estão na Europa para nova temporada de provas visando a assegurar a vaga por equipe nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. O Brasil está brigando com o Canadá pela cota. Na última atualização do ranking FEI, em 31 de dezembro, o Brasil estava à frente do Canadá com 826 e 825 pontos respectivamente. Ambos os países estão disputando CPEDIs neste mês com objetivo de melhorar a pontuação. “Nossa estratégia é competir e treinar na Europa durante janeiro”, disse diretora do paraequestre da CBH, Marcela Parsons, ao Adestramento Brasil.
Leia mais

Campeonato Brasileiro Paraequestre registra evolução no nível dos conjuntos

O nível dos competidores que disputaram o Campeonato Brasileiro de Adestramento Paraequestre melhorou. A percepção da diretora de adestramento paraequestre da Confederação Brasileira, Marcela Frias Pimentel Parsons, foi a mesma da juíza Claudia Mesquita que presidiu o júri. O campeonato, realizado de 15 a 18 de agosto no Centro Hípico do Gama, teve participação de 21 conjuntos representando três unidades federativas: Brasília, Estado de São Paulo e de Minas Gerais.
Leia mais

Brasileiro do paraequestre será em agosto; foco da CBH está nas seletivas para Tóquio

ATUALIZADA* – O Campeonato Brasileiro de Adestramento Paraequestre vai ocorrer de 2 a 4 de agosto em Brasília, já que no primeiro semestre o foco da Confederação Brasileira de Hipismo estará voltado para a qualificação do Brasil para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. “Temos um processo longo de qualificação e o sistema está muito difícil para a gente, então, neste primeiro semestre estaremos focados em qualificar a equipe. Temos dois atletas em alto nível que podem nos ajudar muito, que são o Rodolpho Riskalla e o Sergio Oliva”, disse a diretora do paraequestre da CBH, Marcela Parsons. Leia mais